Agências nacionais importam tendências publicitárias digitais dos EUA

Em busca por soluções e ferramentas tecnológicas, as agências de publicidade estão encontrando tendências digitais nos Estados Unidos para serem implantadas por aqui. Afinal, os norte-americanos são os que mais investem no setor, segundo pesquisa realizada pela agência de dados e tecnologia Zenith. E no Brasil a publicidade digital deve se igualar à tradicional até 2023, segundo levantamento da PwC. Apesar de ainda não liderar, o setor já convive atualmente com um claro movimento de importação de tendências dos EUA, principalmente se tratando de ferramentas tecnológicas.  

Movimento é fruto de análise crítica 

Segundo Kristian Bottini, CEO global da 270B, agência especializada em publicidade digital nos Estados Unidos e que acaba de chegar ao Brasil, o movimento se dá após uma análise crítica feita pelo próprio setor. 

“A maioria das agências brasileiras perceberam que estão encontrando algumas dificuldades para se comunicar com o seu público-alvo, sejam eles clientes da área B2B ou B2C. Nos Estados Unidos, após a implementação de Inteligência Artificial, Realidade Aumentada, NFTS, Metaverso, entre outras ferramentas tecnológicas disponíveis, observamos que as marcas conseguiram passar a ser mais assertivas em suas ações. Por isso, é fundamental que o Brasil também comece a investir nessa linha de atuação”, avalia.

Foto (da esquerda para a direita): Mauricio Fernandes, diretor de operações da 270B Brasil; Alessandra Bottini, CEO da 270B Brasil; Kristian Bottini, CEO global da 270B; e Marcelo Melo, diretor de operações da 270B nos EUA Imagem: Divulgação / 270B

De acordo com Bottini, a implementação de novas tecnologias no cenário abre uma gama de possibilidades, porém, para que esse processo realmente atinja os resultados esperados, será necessário que esteja alinhado com o contexto atual do mercado publicitário brasileiro. 

“A efetivação dessas ferramentas disruptivas abre espaço para a realização de campanhas mais criativas e capazes de trazer um engajamento maior junto ao público final, além de facilitar a comunicação das agências com os clientes. No entanto, é preciso dizer que isso exige um trabalho de adaptação. Replicar sem contar com este cuidado não irá gerar um trabalho eficiente. É preciso encarar essas soluções atuais como novas opções no leque, até para não forçar uma ação desconexa com a realidade”, explica. 

Case de sucesso

A chegada dessas novas tecnologias abre a possibilidade do mercado brasileiro contar com uma variedade de ações diferenciadas, que muitas vezes já se mostraram eficientes no contexto norte-americano. Exemplo disso foi um trabalho idealizado pela própria 270B para o Avocados From Mexico (AFM) no Super Bowl. 

Leia mais:

Receita de publicidade da Amazon atinge US$31 bilhões e deixa Youtube para trás Publicitários querem colocar anúncios em seus sonhos Bored Ape: macaquinhos entediados vão protagonizar filmes

Na ocasião, foi realizado um projeto inovador, se baseando no conceito de metaverso para apresentar uma série de ações e atividades interativas ao público através de um espaço virtual desenvolvido pela agência. Com a ação, o AFM apresentou números impressionantes nos 15 dias anteriores à partida. 

Nesse período, foram registrados mais de 1 milhão de visualizações nas ativações, fazendo com que ela disputasse a liderança no número de menções nas redes sociais. Além disso, o trabalho garantiu um engajamento de 64% de impressões positivas nas redes sociais do cliente. 

Portanto, as agências de publicidade brasileiras estão na crista da onda, explorando com maestria as principais novidades do setor.   

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

O post Agências nacionais importam tendências publicitárias digitais dos EUA apareceu primeiro em Olhar Digital.

Deixe um comentário

Direitos autorais © 2022 AkiBomba. Todos os Direitos Reservados.