Andar sobre duas pernas gerou recém-nascidos mais vulneráveis

Os bebês humanos recém-nascidos vêm ao mundo extremamente vulneráveis. Porém, será que foi sempre assim? Cientistas descobriram recentemente que isso é verdade há pelo menos 3 milhões de anos.

Ou seja, Lucy e as hominídeas Australopithecus tiveram uma experiência semelhante a de uma mulher moderna durante o parto. O motivo se deve, em última análise, ao fato de sermos bípedes.

Em resumo, andar sobre duas pernas alterou o formato da pélvis, o que nas fêmeas se traduziu em partos mais complexos e na geração de bebês “imaturos”, isto é, mais vulneráveis e dependentes.

Reconstrução da hominídea Lucy, exposta no Museu da Evolução, na Polônia, em 2018. Imagem: GregGrabowski / Shutterstock

Para conseguir investigar os partos em tempos remotos, os pesquisadores adaptaram um programa de acidentes de carros para rodar a simulação da biomecânica dos partos.

O ancestral escolhido para comparação foi o australopiteco, uma espécia extinta que viveu na África entre 3,2 e 1,8 milhões de anos atrás. Trata-se de um hominídeo majoritariamente bípede com um cérebro pequeno ao chegar à idade adulta.

“[O tamanho do cérebro] é quase comparável ao de um chimpanzé, então imagina-se seres primitivos com partos simples”, explicou Pierre Frémondière, principal autor do estudo publicado na revista Communications Biology, à agência AFP.

No entanto, os pesquisadores descobriram o contrário: esse ancestral tinha um parto mais parecido com o que vivemos hoje.

Leia também:

Cientista que criou bebês humanos geneticamente modificados deixa prisão na ChinaComposição de placentas pode ser novo tratamento para lesões cerebrais em bebês; entendaBrasil registra primeiro caso de bebê com cauda

Descoberta inédita

Os cientistas utilizaram três tamanhos diferentes de cabeça para simular qual dimensão da cabeça permitia uma saída viável do canal de parto: 110g, 145g (próximo ao do chimpanzé) e 180g (como o humano moderno).

O que eles descobriram é que apenas os cérebros entre 110 e 145 gramas conseguiam sair sem problemas. “Com a opção menor, calculou-se uma proporção de 28% a 30%, que é muito próxima à configuração do Homo sapiens“, disse o pesquisador.

Assim, os cientistas conseguiram determinar, pela primeira vez, qual era o tamanho do crânio de uma criança Australopithecus. E, semelhante aos dias de hoje, os recém-nascidos tinham uma cabeça pequena em relação à fase adulta.

Ou seja, esses recém-nascidos – assim como os filhotes humanos atuais – eram vulneráveis e dependentes de suas mamães por mais tempo. Curiosamente, isso significou mais socialização, mobilização de funções cognitivas superiores e, finalmente, o aumento do tamanho do cérebro durante a evolução humana.

Via: Tilt e Communications Biology

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

O post Andar sobre duas pernas gerou recém-nascidos mais vulneráveis apareceu primeiro em Olhar Digital.

Deixe um comentário

Generated by Feedzy